Polícia Unida: Câmara de Itabaiana recebe entidades representativas do movimento


policia-unida_a74556bc51f6d5760e521d.jpg

As entidades representativas que compõem o movimento Polícia Unida de Sergipe participaram de audiência pública na Câmara Municipal de Itabaiana na manhã desta terça-feira, 09. O movimento luta pelo Adicional de Periculosidade, um direito regulamentado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) que assegura esse adicional a todo profissional que exerce atividades de risco. 


De acordo com Isaque Cangussu, Delegado de Polícia Civil e Presidente da Adepol Sergipe, a atividade policial, independente do cargo ocupado, exerce risco para a vida do profissional. “Nós temos muitos exemplos de agentes que foram feridos ou mortos até quando estavam no seu dia de folga. Durante o exercício, os riscos são ainda maiores. Não se trata de uma bonificação, e sim de um direito de todos estes homens e mulheres que fazem a segurança pública sergipana”, disse o delegado. 


Para o presidente da Câmara, Marcos Oliveira (DEM), a união entre as fardas demonstra a importância do movimento. “Foi uma manhã de muito aprendizado. Com os relatos aqui deixados, a gente entende que a polícia não está buscando periculosidade, mas sim humanidade, estrutura e reconhecimento. Parabéns a todos pelo movimento e contem sempre com esta casa para ser mais um agente de transformação para a polícia sergipana”, disse Marcos. 

 

O Agente de Polícia Civil e Presidente do Sinpol Sergipe, Adriano Bandeira, utilizou o momento para homenagear os colegas de farda mortos em ações nas ruas sergipanas. “Relembro aqui o caso mais recente do Delegado Marcelo Hercos, também dos dois policiais que foram brutalmente assassinados em Umbaúba. E esses são só alguns entre os centenas de policiais mortos em ações. Essa luta é por eles e por todos nós que continuamos aqui em prol da sociedade. É uma luta que perpassa por finanças, mas perpassa muito mais por respeito e valorização”, explicou Adriano. 

 

A taxa de mortalidade da classe é alta. De acordo com Willanês dos Santos, Cabo da Polícia Militar e Presidente da Associação Única, os confrontos policiais correspondem a 36% das mortes de policiais militares. “26% morrem por infarto, 5% por suicídio e 22% por Covid-19. Apenas 11% morrem por causas consideradas naturais. É importante que o Governo do Estado tenha o olhar de que a política de segurança pública precisa ser permanente e que nós precisamos ser valorizados”, expôs Willanês. 

 

Em apoio ao movimento, o vereador Moisés Mota (DEM) convidou os policiais para a realização de ação na feira-livre do município. “Todos precisam ter acesso às informações que foram deixadas aqui hoje e a feira é o local ideal para isso. Convido todos a participarem desse momento e declaro todo o meu apoio ao movimento Polícia Unida”, finalizou. 

 

O parlamentar Alex Henrique aproveitou o momento para parabenizar os policiais pela união. “A sociedade precisa ter consciência dos riscos da profissão, da falta de estrutura e dos direitos que precisam ser assegurados. Parabéns a todos por esse ato”, disse. 


Em união histórica, o movimento reúne nove entidades representativas. São elas: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE); Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Sergipe (Adepol/SE); Associação Militar Única; Associação dos Praças; Policiais e Bombeiros Militares do Estado de Sergipe (Aspra); Associação dos Oficiais Militar de Sergipe (Asimusep); Associação dos Militares do Estado de Sergipe (Ameses); Associação dos Militares da Reserva Remunerada e Pensionistas do Estado de Sergipe (Asmirp/se); Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros (ACS-SE). 

 

Confira na íntegra:

https://www.youtube.com/watch?v=DHSWQpru1AA

Mapa do Site

Acessibilidade Contraste Mapa do Site Voltar ao Topo